quarta-feira, 1 de novembro de 2017

95 teses para o evangelicalismo brasileiro? (cópia)

95 teses para o evangelicalismo brasileiro?

"Após ler este artigo do pastor Ciro Sanches Zibordi, que admiro como pessoa e pregador do evangelho, resolvi compartilhar no meu blog." 

O artigo diz:

Há um texto sem autoria, que ora se espalha pelas redes sociais, denominado ‘95 teses para serem fixadas na porta do Evangelicalismo Brasileiro’. Gostei da iniciativa. Mas, sinceramente, quero fazer sucintos comentários sobre algumas das tais ‘teses’, já que elas devem estar sendo fixadas nos murais de algumas igrejas, inclusive pentecostais, ou retransmitidas via aplicativo de mensagens.
1. Rodar e cair não é manifestação do Espírito Santo.
Concordo, pois sou crítico de certos “moveres”, como “cair no Espírito” e “unção do riso”. Por outro lado, na presença do Espírito Santo, há alegria e movimento, e não inércia (cf. At 2; 4; 10; 19).
2. Falar em línguas não é evidência de Espírito Santo.
Há línguas e ‘linguas’. As genuinamente produzidas pelo Espírito são sobrenaturais e — evidentemente — uma evidência da presença do Espírito Santo. Mas as falsas línguas, resultantes de carnalidade, geralmente pronunciadas depois que algum pregador diz: ‘Onde estão os pentecostais? Eu quero ouvir uma rajada de línguas estranhas’, estas sim depõem contra o pentecostalismo.
3. Não existem mais levitas.
Concordo. E escrevi sobre isso em meu livro ‘Erros que os Adoradores Devem Evitar’ (CPAD, 2010).
4. Teologia da prosperidade não é evangelho.
Verdade.
5. Dízimo obrigatório não está em vigor na graça.
Dízimo não é obrigatório, pois toda e qualquer contribuição é voluntária, mas ele está em vigor, sim, já que, à luz do Novo Testamento, pode ser considerado uma prática atemporal, que nada tem que ver com salvação. Boas obras não salvam, mas Deus nos salvou exclusivamente pela graça para andarmos em boas obras (Ef 2.8-10).
6. Devorador não é um demônio.
Certo.
7. Mulher não pode ser pastora.
Poder, pode. Mas deve? Será que Deus chamou mesmo as mulheres para serem pastoras? Isso gera muito debate, mas vejo que o movimento feminista tem feito muita gente dar um jeitinho para agradar as mulheres. Como o assunto é difícil para ser tratado neste texto, que já está longo demais, vou recomendar ao leitor um excelente livro sobre o assunto: 'Homens, Mulheres e Autoridade', editado por Brian Edwards, São Paulo: PES, 2007.
8. Campanhas e propósitos são barganha com Deus.
Concordo plenamente.
9. Você não escolhe Cristo.
De fato, a iniciativa vem de Deus, e a salvação é realizada cem por cento pela graça de Deus. Entretanto, ela só se concretiza na vida de quem recebe a Cristo como seu Senhor e Salvador (Jo 3.16; Rm 10.9,10). Não se deve confundir expiação com redenção. A expiação é do pecado adâmico (Jo 1.29); a redenção diz respeito ao pecado de cada pecador, a qual se concretiza quando o pecador crê no Senhor e se arrepende de seus pecados, auxiliado, evidentemente, pela graça de Deus que vem antes, prevenientemente.
10. Não existem mais apóstolos.
Penso que o ministério apostólico continuará ‘até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de Deus’, assim como todos os outros mencionados em Efésios 4.13. Os doze, evidentemente, são um grupo seleto, que inclusive será lembrado no Céu. Mas apóstolos — não títulos, e sim ministérios — não cessaram. Caso contrário, teríamos de admitir que os outros dons ministeriais mencionados em 1 Coríntios 12.28 e Efésios 4.11 também cessaram. Em meu novo livro trato dessa questão.
11. Cristo é o fim da lei.
Verdade.
12. Oração no monte tem o mesmo efeito do quarto.
Concordo. Mas eu prefiro orar no quarto.
13. Arrebatamento será depois da tribulação.
Nem todos os evangélicos são pós-tribulacionistas. Os pentecostais, como este articulista, creem piamente que Jesus arrebatará a sua Igreja antes da Grande Tribulação, pois há muitas evidências bíblicas quanto a isso. Recomendo, modéstia à parte, a leitura do meu livro ‘Erros Escatológicos que os Pregadores Devem Evitar’ (CPAD, 2012).
14. Estudem as Escrituras linearmente.
Não só linearmente. Há que estudá-las levando-se em consideração o fato de elas serem a Palavra de Deus infalível e inerrante, respeitando os seus contextos literário, histórico, cultural etc.
15. Grupo de dança não é ministério.
Concordo.
16. Pregação somente pela Palavra.
De acordo.
17. Exposição somente das Escrituras.
Verdade.
18. Seu pastor não é mais importante que o membro.
Não é. Mas isso não quer dizer que não exista hierarquia na Igreja. Existe, sim, como vemos claramente em 1 Coríntios 12.28, Atos 15 etc. Deus pôs líderes nas igrejas para que haja ordem, e para que eles levem o seu povo a adorá-lo e obedecer-lhe em tudo (cf. Ap 2-3).
19. Objetos ungidos é feitiçaria (sic).
Nem sempre podemos chamar isso de feitiçaria, mas não se trata de uma prática condizente com o evangelicalismo verdadeiramente bíblico.
20. Misticismo não é evangelho.
Perfeito.
21. Devemos julgar segundo a reta justiça.
As palavras de Jesus sobre isso estão em João 7.24.
22. Gritar ‘aleluia’ no culto mais alto que os outros não comove Deus.
Não o comove, mesmo. Mas há momentos no culto em que podemos glorificar a Deus em voz alta. O que não devemos é fazer isso fora de hora, por exemplo, enquanto a Palavra de Deus está sendo exposta. O texto de 1 Coríntios 14 nos ensina como deve ser o culto genuinamente pentecostal.
23. Satanás não está no inferno.
Isso também é verdadeiro, pois o Inimigo é o príncipe das potestades do ar e habita as regiões celestiais (Ef 2.1,2; 6.10-18).
24. Deus não precisa do seu dinheiro. 
Certo. Mas o cristão que se preza contribui com amor para a obra do Senhor (2 Co 9).
25. Davi dançou em uma procissão da arca, e não em um culto.
Verdade. Ele, inclusive, ao instituir o ministério do louvor, nos tempos veterotestamentários, não chamou dançarinos e coreógrafos, e sim músicos e cantores.
26. Não precisa olhar para o irmão do lado e dizer: ‘Jesus te ama’.
Concordo. Tenho escrito sobre isso em meus livros, especialmente ‘Erros que os Pregadores Devem Evitar’ (CPAD, 2005).
27. Arminianismo limita a soberania de Deus.
O verdadeiro arminianismo, não. Não confunda arminianismo com semipelagianismo ou pelagianismo! Mas é importante dizer que o Evangelho está acima de arminianismo e calvinismo.
28. Batismo com fogo é condenação.
Discordo, pois o fogo também ilustra o poder do Espírito Santo. A explicação da pregação de João Batista, em Mateus 3 e Lucas 3, seria muito longa, para inseri-la aqui. Peço aos leitores que aguardem meu próximo livro, no qual tratarei do batismo com o Espírito Santo e com fogo.
29. Deus odeia o pecado e também o pecador.
Deus não odeia o pecador! Deus é amor. Há certas passagens isoladas que podem sugerir que Ele odeie o pecador, mas, se bem estudadas, à luz da analogia geral da Bíblia, não ficará dúvida de que o Senhor não deseja condenar o ímpio. Sua ira justa contra o pecado não deve ser confundida com ódio justiceiro contra o pecador.
30. Deus salva a quem quer.
Na verdade, Ele quer que todos se salvem (1 Tm 2.4), e o Senhor Jesus provou a morte por toda a humanidade (Hb 2.9). Mas a salvação só se concretiza na vida de quem crê no Senhor Jesus e se arrepende de seus pecados. Como já disse, não se deve confundir expiação do pecado adâmico (Jo 1.29) com a redenção de cada pecador (Jo 3.16; Rm 10.9,10). Jesus morreu por todos, para que cada pecador possa ser salvo, desde que aceite — sim, aceite —, mediante o livre-arbítrio, o plano salvífico de Deus.
31. Jesus é o mediador, e não seu líder (sic).
Concordo. Mas o líder deve ser respeitado pelo cristão que se preza.
32. Não precisamos de revelação, a Bíblia já está revelada.
De fato, a Bíblia é uma revelação superior, mas, por meio dos dons espirituais, o Senhor revela hoje, aqui e agora, o profundo e o escondido.
33. Salvação não é uma vacina.
Se é que entendi, concordo.
34. A salvação é pela graça, e por ela somente.
Perfeito.
35. Não existe maldição hereditária.
Certo.
36. Preguem sobre o pecado e o inferno.
Correto.
37. Não existe mais sacrifício, Cristo foi o suficiente.
Verdade, falando de salvação. Mas a vida cristã envolve renúncia e sofrimento (Lc 9.23; 1 Pe 2.20,21).
38. Paulo não caiu do cavalo.
A Bíblia realmente não diz isso. Mas não acredito que ele estivesse indo a pé para seu destino.
39. No mínimo uma hora de palavra.
Gostaria que a exposição da Palavra tivesse em torno de uma hora. Mas isso não é mandamento bíblico e varia muito nas igrejas. O importante é que a Palavra de Deus tenha o primado. Dois terços do ministério do Senhor Jesus foram destinados ao ensino e a pregação da Palavra.
40. Leia livros reformados.

De fato, há excelentes livros de autores reformados (que, aqui, é sinônimo de calvinistas). Mas também há obras igualmente maravilhosas de pentecostais, haja vista as centenas publicadas pela CPAD e outras editoras.

41. Ore incessantemente.
Amém.
42. Deus não é obrigado a lhe abençoar (sic).
Não, mesmo. Mas Ele tem prazer em abençoar os fiéis.
43. Deus também é glorificado na angústia.
Verdade. Ele nos livra muitas vezes da angústia, mas também nos livra na — ou através da — angústia. Há muitos salmos bíblicos que tratam disso.
44. Deus está em silêncio porque sua Bíblia está fechada.
Verdade. O Senhor fala conosco quando lemos a sua Palavra.
45. Financeiro baixo não é obra de satanás.
Concordo. Mas financeiro alto também não. O problema é colocar o coração nas riquezas (Mt 6.19-21).
46. Estudem sobre a Reforma.
Estudem, mesmo, pois a Reforma Protestante foi o maior movimento da Igreja, depois do Pentecostes.
47. Satanás não era anjo de luz.
Ele era um ser perfeito que caiu e enganou a terça parte dos anjos (cf. Ap 12). Creio que os textos de Isaías 14 e Ezequiel 28, ainda que por analogia, se refiram a Lúcifer (nome latino).
48. Internet não é coisa do diabo.
Verdade. Mas tem sido usada pelos seus adeptos, assim como pode ser usada pelo povo de Deus.
49. Questione o falso ensino.
Isso, mesmo.
50. Deixar a Bíblia aberta em Salmos não resolve nada.
Bíblia não é amuleto da sorte, mas deve ser lida e estudada.
51. Ouça Paul Washer, John Piper etc.
São respeitáveis expoentes calvinistas. Mas há também bons pregadores pentecostais, que creem na atualidade dos dons espirituais.
52. Jesus não ofereceu riquezas.
Certo.
53. Quer prosperidade, acorde cedo e trabalhe.
Concordo.
54. Só comece a namorar se for casar.
Verdade. Para que namorar por namorar, sem o objetivo do casamento?
55. Procure uma igreja mais próxima de sua Bíblia.
Certo.
56. Apelo emocional não é evangelismo.
Certo. Mas pregação também envolve emoção, ainda que o mais importante seja a ação do Espírito Santo (1 Co 2.1-5; 1 Ts 1.5).
57. Neopentecostalismo não é evangelho.
Nem pentecostalismo; nem calvinismo etc. Evangelho está acima de tudo e de todos.
58. Crianças têm pecado.
Todos nascem pecadores (Rm 3.23). Mas, evidentemente, uma criança que parte para a eternidade sem que suas faculdades tenham amadurecido o suficiente para crer e se arrepender será alcançada pela graça preveniente de Deus e pela expiação do pecado adâmico.
59. Não temos livre-arbítrio.
Temos, sim! Deus não fez seres autômatos. Apesar dos efeitos deletérios do pecado, o ser humano continua podendo escolher entre o caminho da vida e o da morte (Dt 30.19; Lc 9.23; Ap 22.17).
60. Não cobrem para pregar.
Certo.
61. Seu pastor não é ungido.
Não, literalmente. Mas o pastor verdadeiramente chamado por Deus recebe dEle uma capacitação especial para conduzir o rebanho.
62. Sua esposa não é varoa.
É, sim, pois do varão foi tomada. Se o termo, hoje, não é usual, isso é outra coisa.
63. Sabor de mel e raridade não é louvor (sic).
Certo.
64. Não ponha somente a culpa no diabo.
Verdade. A carne é o nosso pior inimigo e está dentro de nós.
65. Na ‘mira da verdade’ não prega a verdade.
Concordo. O autor destas 95 'teses' se refere a um programa de TV adventista.
66. Não é só sua Igreja que vai ser arrebatada.
Todos os salvos em Cristo hão de ser arrebatados, antes da Grande Tribulação (1 Ts 4.16,17). E não foi Darby quem inventou isso, no século XIX. Sistematizar uma doutrina não é o mesmo que criá-la, já que a doutrina é bíblica. A doutrina da Trindade só foi sistematizada no século III, mas ela sempre foi bíblica.
67. Agenor Duque não é João Batista.
Com certeza, não!
68. Deus não se agrada de campanhas.
Certo.
69. Retiros e intimidade com Deus, e não lazer.
O lazer também é importante, no momento certo.
70. Não leia versículos isolados.
Não é pecado ler versículos isolados. O que não se deve fazer é interpretá-los isoladamente, fora de seu contexto.
71. Judas não escolheu trair Jesus, já estava predestinado.
Escolheu, sim, pois ele se desviou (At 1.25; Jo 17.12).
72. Cristo deve ser a única atração do pecador.
Verdade.
73. Encontro tremendo, somente com a verdade das Escrituras.
Concordo.
74. Não existe culto de libertação na Bíblia.
Certo. Não há necessidade de haver um culto específico para libertação, embora o problema, em si, não esteja no nome do culto, e sim nas aberrações que ora acontecem nessas reuniões ditas de libertação.
75. Preguem sobre a graça.
E sobre a misericórdia, a expiação pelo sangue, a redenção, a santificação, o Arrebatamento da Igreja etc., também.
76. Nem todos são filhos de Deus.
Verdade. É necessário entregar a vida a Cristo, crendo e se arrependendo, para ser um filho de Deus por adoção (Jo 1.11,12; Gl 4.4,5).
77. Televisão deixa o cristão frio.
David Wilkerson falou sobre isso em seu excelente livro ‘Toca a Trombeta em Sião’, publicado pela CPAD na década de 1980. Use com moderação.
78. Copo de água na TV é pura baboseira (sic).
Certo. É preciso confiar em Jesus Cristo.
79. Seu pastor não determina nada.
Se for um homem de Deus, de fato, deve ser respeitado.
80. Deus não é só amor.
Verdade. Mas Ele é amor. E, por isso mesmo, não odeia o pecador.
81. Não somos a universal.
Mas o crente fiel pertence à Universal Assembleia.
82. Nunca dê ouvido a alguém que diz: ‘Deus mandou te dizer’.
Há profetas de Deus e falsos profetas. Generalizações, nesse sentido, são perigosas.
83. Um salvo não perde a salvação.
Deus não tem prazer em tirar a salvação de ninguém. Mas há pessoas que, à semelhança de Esaú, que desprezou sua primogenitura, desprezam a sua salvação. É preciso estudar com muito cuidado Hebreus 3; 6; 10. E também 2 Pedro 2 e Apocalipse 3.
84. Cair no espírito é puro êxtase.
Certo. Voltamos à primeira 'tese'...
85. O ladrão da cruz entrou no céu, sim.
Jesus lhe disse: ‘Hoje estarás comigo no Paraíso’ (Lc 23.33-43). Mas essa passagem precisa ser estudada com muita diligência. Recomendo, modéstia à parte, de novo, minha obra ‘Erros Escatológicos que os Pregadores Devem Evitar’ (CPAD, 2012).
86. Dom de línguas eram idiomas.
Em Atos 2, foram idiomas, mas outorgados pelo Espírito Santo aos salvos em Cristo. À luz de 1 Coríntios 12-14, as línguas dadas sobrenaturalmente pelo Espírito Santo têm várias finalidades. Não devemos desprezar esse dom.
87. Visitar outras igrejas não é errado.
Certo. Mas é preciso conversar com o pastor sobre isso.
88. Deus não sonha.
Ele não dorme, evidentemente. Do ponto de vista do uso atual do verbo “sonhar”, no sentido de desejar, aspirar, é claro que Ele tem bons desejos e quer, por exemplo, ‘que todos se salvem, e venham ao conhecimento da verdade’ (1 Tm 2.4).
89. Deus não precisa da sua autorização para agir.
Verdade. Ele é soberano. Por outro lado, Ele está à porta e bate (Ap 3.20), pois não criou seres autômatos, programados para obedecer-lhe em tudo.
90. Seja cristão em casa.
E em todos os lugares, inclusive no templo.
91. Sua mulher não é sua empregada.
Mas também não é a patroa... Ou é? Risos.
92. Ame ela como Cristo amou a igreja (sic).
Amém.
93. Não existe: ‘eis que eu te digo’.
Há muitas ‘teses’ repetidas... Faltou inspiração ao autor.
94. O mercenário é quem rouba, mata e destrói.
Mas quem está por trás dele é o Diabo, que vem, sim, para roubar, matar e destruir, à luz de João 10.
95. Glória Somente a Deus.

Amém.

Em Cristo,
Ciro Sanches Zibordi
Fonte: CPAD News

 

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

A NASA descobriu que tudo o que diz a Bíblia é real...

A religião é um tema bastante polêmico. Há pessoas que acreditam fervorosamente em Deus, enquanto outras afirmam que isto é uma farsa de anos. Estes descrentes afirmam que se Deus existe, que os cristãos o mostre. Já os cristãos afirmam que Deus está em todas as partes, por mais que não possamos vê-lo. A existência deste ser supremo vem dando o que falar há dois milênios.
Além do cristianismo, existem muitas outras religiões, tais como judaísmo, islamismo, budismo ou hinduísmo. Todas elas tem seus costumes e crenças. Não julgue nada por sua religião porque o tipo da fé não torna uma pessoa melhor ou pior. No artigo de hoje veremos como tudo parece ter sido resolvido. A NASA finalmente aceitou tudo o que diz na Bíblia depois deste incrível achado…
Durante milhares de anos acreditou-se que os seres humanos teriam escrito a Bíblia. Isto deveria estar certo. No entanto, a NASA acabou de confirmar que o que realmente conta as Sagradas Escrituras foi inspirado por Deus. Este Deus seria totalmente real e sua palavra é a única verdadeiramente válida neste mundo. Tudo o que ocorreu e que ocorrerá no futuro está registrado nas escrituras. Para os cientistas, tudo isto era mito, mas agora a verdade veio à tona.
O senhor Harold Hill, presidente da empresa automotiva Curtis de Baltimore, Maryland e conselheiro do programa espacial, relatou o seguinte incidente: “Uma das coisas mais assombrosas relacionadas com Deus aconteceu com nossos astronautas e cientistas espaciais da Green Belt, Maryland. Estavam verificando a posição do Sol, da Lua e dos planetas para saber onde se encontrariam dentro dos próximo cem e mil anos. O que viram deixou todos perplexos…”.
Isto é um requisito indispensável para o envio de satélites ao espaço, já que poderiam causar choques com algum meteoro ou planeta. É indispensável projetar a órbita em termos de vida do satélite e saber qual posição tem cada planeta para que nada seja destruído. Então decidiram que poderiam começar a fazer esta representação e, sendo assim, começaram o processo de viajar séculos depois. De repente, a máquina parou.
O computador começou a emitir um sinal de alerta vermelho indicando um erro nos dados de entrada ou nos resultados a ser comparados com as normas estabelecidas do universo. A oficina de manutenção revisou a máquina e seus técnicos afirmaram que ela estava em perfeito estado. Qual era o problema? O diretor do IBM deu a seguinte resposta: “Nós descobrimos que falta um dia no universo do tempo transcorrido na história”
Os cientistas, por mais que tenham tentado, não encontraram uma resposta eficaz para este mistério. Mas na equipe havia um jovem muito religioso que deu sua opinião sobre o tema: “Uma vez eu ouvi na igreja, durante um seminário, que o Sol se deteve”. Seus companheiros obviamente não acreditaram então lhe pediram que ilustrasse esta ideia. Então ele pegou sua BÍBLIA e exibiu no livro de Josué algo bastante ridículo para alguém com “senso comum”.
Nesta passagem Deus dizia a Josué: “Não tenha medo, porque com o que Eu entreguei em suas mãos, nenhum deles poderá resistir”. Josué era um homem que estava preocupado porque o inimigo tinha lhe cercado e se escurecesse acabariam com ele. Então ele pediu a Deus que parasse o Sol e assim se crê que aconteceu. “O Sol se deteve e a Lua parou… E não se apressou a descer por um dia inteiro”. Era esta a solução que haviam procurado por tanto tempo?
Os engenheiros do Programa Espacial exclamaram assombrados: “Este é o dia que falta!”. Rapidamente retrocederam o tempo até a época descrita na Bíblia e descobriram que estavam muito próximos, mas não era o momento exato. O período de tempo que faltava era de 23 horas e 20 minutos, mas não era um dia completo. Depois disto, leram novamente o que dizia a Bíblia: “Quase um dia inteiro” (Josué10:13). Graças a isto, parte do tempo havia sido solucionado. No entanto, ainda havia 40 minutos perdidos.
Se não aparecesse, haveria grande discrepância nos cálculos espaciais. Por sorte, o investigador cristão lembrou que a Bíblia disse que um dia o Sol retrocedeu. No livro dos Reis, capítulo 20: 8-10, Ezequias pediu ao profeta Izaias uma prova da existência de Deus. Então lhe foi dito: “Sua sombra cairá 10 graus”. Isto é exatamente 40 minutos. As 23 horas e 20 minutos de Josué, mais os 40 minutos de Ezequias formavam um dia completo. O mistério estava resolvido! 

Fonte: Para os curiosos  

sexta-feira, 12 de junho de 2015

DIP - Domingo da Igreja Perseguida 2015


Realizamos o DIP 2015 (31/05/2015) em nossa Congregação (IEAD Vila Berta). Apoiados através da Missão Portas Abertas realizamos o Domingo da Igreja Perseguida. Foram 7.006 igrejas que se envolveram pela e para a Igreja Perseguida através de louvores, pregação da palavra, encenações e orações. Nossos jovens encenaram a história de uma jovem que é evangelizada por uma amiga cristã, ao contar para seus pais sua conversão ao cristianismo, ela é expulsa de casa, mas encontra apoio em sua amiga e em Jesus.















































quarta-feira, 15 de abril de 2015

Por que a galinha atravessou a rua? "para descontrair, não leve tão sério assim".


 por que a galinha atravessou a rua


Entre os maiores enigmas e questões da humanidade, uma pergunta não quer calar: Por que a galinha atravessou a rua?

Veja como alguns teólogos, filósofos e pensadores responderiam essa importante questão.

É só para rir um pouco. Não leve tão a sério, ok?


Luterano: Atravessou pela fé, e pela fé somente.

Calvinista: Estava predestinada a atravessar a rua.

Arminiano: Deus previu que a galinha iria atravessar a rua. Ela creu e atravessou por seu próprio arbítrio livre.

Pelagiano: Ela escolheu atravessar a rua e não precisou de ninguém.

Cassianista: Ela atravessou só a metade; Deus a carregou no restante do caminho.

Wesleyano: Ela foi capacitada à atravessar a rua desde que era um pintinho.

Spurgeonista: Sabemos que a galinha atravessou, e isso basta para nos encorajar a atravessar nossas "ruas" também. Assim como o policial protege a galinha, Cristo nos protegerá durante o caminho.

Evangelista: Ela atravessou porque, se não atravessasse, a ira de Deus iria torrar as suas penas.

Apologeta evidencialista: Existem três razões pelas quais eu creio ser bastante razoável a ideia de que a galinha atravessou a rua...

Pastor ativista político: Por que ela teve um sonho!

Católico romano: Não existe rua fora da igreja romana.

Batista reformado: Para glorificar a Deus!

Apresentador de debates: Vamos trazer dois gigantes da teologia aqui para discutir o assunto...

Calvinista inconsistente: Deus a atravessou, mas a responsabilidade foi dela. Esse é um mistério que nós abraçamos apenas pela fé.

Determinista: A travessia da galinha foi pré-determinada por Deus e é causada e exaustivamente controlada por Ele.

Exegeta: Se olharmos no grego original, descobriremos que, na verdade, era um chester.

Dispensacionalista: Ela estava fugindo da Grande Tribulação.

Amilenista: Você tem que interpretar isso de maneira simbólica... a galinha, a rua... isso tudo se cumpre num sentido espiritual.

Pós-milenista: A galinha atravessando a rua é uma figura do avanço do Evangelho no mundo.

Cessacionista: A galinha só atravessava ruas no período apostólico. Hoje isso não acontece mais.

Pentecostal: A galinha foi batizada com fogo. Oh, grória! Raaleluiaaaa!

Adventista: Atravessou porque não era sábado.

Teólogo da Prosperidade: A galinha só conseguiu atravessar a rua porque é dizimista fiel.

Teísta aberto: Ela atravessou porque Deus não a viu atravessar.

Universalista: A galinha atravessou porque todas as galinhas, no fim, estarão do outro lado da rua.

Relativista: A resposta vai depender do seu ponto de vista. Afinal, o que é galinha? E o que é rua?

Ateu clássico: Não creio na existência da galinha, pois não há provas que ela realmente exista.

Militante ateu radical: A galinha é um delírio.

Agnóstico: Não podemos ter certeza a respeito dos motivos que levaram a galinha a atravessar a rua.

Teólogo liberal: Esse mito da galinha não é literal, é apenas fruto da experiência religiosa do povo galináceo.

Teólogo da libertação: A galinha estava buscando a libertação das injustiças sociais.

Teólogo sem noção: A galinha atravessou a rua porque ela ainda está no Newtonianismo. Eu já estou na Imponderabilidade Quântica.

Cantor gospel: Paulo falou sobre isso em um dos Salmos.

Fonte: Internautas cristãos

quinta-feira, 12 de março de 2015

Israel vai existir.









"O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse nesta terça-feira (3) em discurso no Congresso dos EUA que a busca do Irã por armas nucleares pode ameaçar a sobrevivência de Israel. “O mundo deve exigir que o Irã pare de apoiar o terrorismo no mundo e pare de ameaçar aniquilar Israel”, afirmou.

Clique no link e leia a transcrição do discurso: http://www.fisesp.org.br/web/premie-de-israel-discursou-no-congresso-dos-usa/"









Meus amigos, impor-se ao Irã não é fácil. Impor-se a regimes escuros e assassinos nunca é. Como disse o sobrevivente do Holocausto e ganhador do Prêmio Nobel Elie Wiesel, que procurou durante toda a sua vida e obra inspirar e dar significado às palavras, “Never Again”. E eu desejo que possa te prometer, Elie, que as lições da história foram aprendidas. 

Eu só posso insistir aos líderes do mundo a não repetir os erros do passado. Para não sacrificar o futuro, não ignorar a agressão, na esperança de ganhar uma paz ilusória.

Mas posso garantir isso, que os dias em que o povo judeu permaneceu passivo diante de inimigos genocidas, que esses dias acabaram. Nós não estamos mais espalhados entre as nações, não estamos mais impotentes para nos defendermos. Nós restauramos nossa soberania em nossa antiga casa. E os soldados que defendem a nossa casa tem coragem ilimitada. Pela primeira vez em 100 gerações, nós, o povo judeu, podemos nos defender. 

Em discurso no Congresso dos EUA, o Primeiro Ministro de Israel traz a memória a festividade de Purim que se originou devido as artimanhas de Hamã na Pérsia, quando intentou a destruição do povo judaico. 

Benjamim Netanyahu denuncia as intenções do Irã em relação a Israel nos mesmos moldes da Pérsia antiga. Afirma que a busca do Irã por armas nucleares pode ameaçar a sobrevivência de Israel. “O mundo deve exigir que o Irã pare de apoiar o terrorismo no mundo e pare de ameaçar aniquilar Israel”... 

É por isso que, como primeiro-ministro de Israel, posso prometer-lhe mais uma coisa: Mesmo que Israel tenha que ficar sozinho, Israel vai existir. Mas eu sei que Israel não está sozinho. Eu sei que a América está com Israel. Eu sei que você está com Israel. Você está com Israel porque você sabe que a história de Israel não é apenas a história do povo judeu, mas do espírito humano que se recusa novamente a sucumbir à horrores da história...
 
 
 
Fonte: Eretz Israel

terça-feira, 10 de março de 2015

1º CULTO NO BRASIL.

No dia 10/03/1557 foi celebrado o primeiro culto protestante em terras brasileiras. Porém, o desfecho desse culto foi trágico: no dia seguinte foram executados Jean du Bourdel, Mathieu Verneuil e Pierre Bourdon, conhecidos como os três primeiros mártires evangélicos do Brasil. ORE pela igreja brasileira a fim de que se levane testemunhando Cristo.



Confissão de Fé de Guanabara
por

Jean de Bourdel, Matthieu Verneuil, Pierre Bourdon e André la Fon

No dia 7 de março de 1557 chegou a Guanabara um grupo de huguenotes (calvinistas franceses) com o propósito de ajudar a estabelecer um refúgio para os calvinistas perseguidos na França. Perseguidos também na Guanabara em virtude de sua fé reformada, alguns conseguiram escapar; outros, foram condenados à morte por Villegaignon, foram enforcados e seus corpos atirados de um despenhadeiro, em 1558. Antes de morrer, entretanto, foram obrigados a professar por escrito sua fé, no prazo de doze horas, respondendo uma série de perguntas que lhes foram entregues. Eles assim o fizeram, e escreveram a primeira confissão de fé na América (ver Apêndice 2), sabendo que com ela estavam assinando a própria sentença de morte.
TEXTO DA CONFISSÃO
Segundo a doutrina de S. Pedro Apóstolo, em sua primeira epístola, todos os cristãos devem estar sempre prontos para dar razão da esperança que neles há, e isso com toda a doçura e benignidade, nós abaixo assinados, Senhor de Villegaignon, unanimemente (segundo a medida de graça que o Senhor nos tem concedido) damos razão, a cada ponto, como nos haveis apontado e ordenado, e começando no primeiro artigo:
I. Cremos em um só Deus, imortal, invisível, criador do céu e da terra, e de todas as coisas, tanto visíveis como invisíveis, o qual é distinto em três pessoas: o Pai, o Filho e o Santo Espírito, que não constituem senão uma mesma substância em essência eterna e uma mesma vontade; o Pai, fonte e começo de todo o bem; o Filho, eternamente gerado do Pai, o qual, cumprida a plenitude do tempo, se manifestou em carne ao mundo, sendo concebido do Santo Espírito, nasceu da virgem Maria, feito sob a lei para resgatar os que sob ela estavam, a fim de que recebêssemos a adoção de próprios filhos; o Santo Espírito, procedente do Pai e do Filho, mestre de toda a verdade, falando pela boca dos profetas, sugerindo as coisas que foram ditas por nosso Senhor Jesus Cristo aos apóstolos. Este é o único Consolador em aflição, dando constância e perseverança em todo bem.
Cremos que é mister somente adorar e perfeitamente amar, rogar e invocar a majestade de Deus em fé ou particularmente.
II. Adorando nosso Senhor Jesus Cristo, não separamos uma natureza da outra, confessando as duas naturezas, a saber, divina e humana nele inseparáveis.
III. Cremos, quanto ao Filho de Deus e ao Santo Espírito, o que a Palavra de Deus e a doutrina apostólica, e o símbolo,[3] nos ensinam.
IV. Cremos que nosso Senhor Jesus Cristo virá julgar os vivos e os mortos, em forma visível e humana como subiu ao céu, executando tal juízo na forma em que nos predisse no capítulo vinte e cinco de Mateus, tendo todo o poder de julgar, a Ele dado pelo Pai, sendo homem.
E, quanto ao que dizemos em nossas orações, que o Pai aparecerá enfim na pessoa do Filho, entendemos por isso que o poder do Pai, dado ao Filho, será manifestado no dito juízo, não todavia que queiramos confundir as pessoas, sabendo que elas são realmente distintas uma da outra.
V. Cremos que no santíssimo sacramento da ceia, com as figuras corporais do pão e do vinho, as almas fiéis são realmente e de fato alimentadas com a própria substância do nosso Senhor Jesus, como nossos corpos são alimentados de alimentos, e assim não entendemos dizer que o pão e o vinho sejam transformados ou transubstanciados no seu corpo, porque o pão continua em sua natureza e substância, semelhantemente ao vinho, e não há mudança ou alteração.
Distinguimos todavia este pão e vinho do outro pão que é dedicado ao uso comum, sendo que este nos é um sinal sacramental, sob o qual a verdade é infalivelmente recebida. Ora, esta recepção não se faz senão por meio da fé e nela não convém imaginar nada de carnal, nem preparar os dentes para comer, como santo Agostinho nos ensina, dizendo: “Porque preparas tu os dentes e o ventre? Crê, e tu o comeste.”
O sinal, pois, nem nos dá a verdade, nem a coisa significada; mas Nosso Senhor Jesus Cristo, por seu poder, virtude e bondade, alimenta e preserva nossas almas, e as faz participantes da sua carne, e de seu sangue, e de todos os seus benefícios.
Vejamos a interpretação das palavras de Jesus Cristo: “Este pão é meu corpo.” Tertuliano, no livro quarto contra Marcião, explica estas palavras assim: “este é o sinal e a figura do meu corpo.”
S. Agostinho diz: “O Senhor não evitou dizer: — Este é o meu corpo, quando dava apenas o sinal de seu corpo.”
Portanto (como é ordenado no primeiro cânon do Concílio de Nicéia), neste santo sacramento não devemos imaginar nada de carnal e nem nos distrair no pão e no vinho, que nos são neles propostos por sinais, mas levantar nossos espíritos ao céu para contemplar pela fé o Filho de Deus, nosso Senhor Jesus, sentado à destra de Deus, seu Pai.
Neste sentido podíamos jurar o artigo da Ascensão, com muitas outras sentenças de Santo Agostinho, que omitimos, temendo ser longas.
VI. Cremos que, se fosse necessário pôr água no vinho, os evangelistas e São Paulo não teriam omitido uma coisa de tão grande conseqüência.
E quanto ao que os doutores antigos têm observado (fundamen­tando-se sobre o sangue misturado com água que saiu do lado de Jesus Cristo, desde que tal observância não tem fundamento na Palavra de Deus, visto mesmo que depois da instituição da Santa Ceia isso aconteceu), nós não podemos hoje admitir necessariamente.
VII. Cremos que não há outra consagração senão a que se faz pelo ministro, quando se celebra a ceia, recitando o ministro ao povo, em linguagem conhecida, a instituição desta ceia literalmente, segundo a forma que nosso Senhor Jesus Cristo nos prescreveu, admoestando o povo quanto à morte e paixão do nosso Senhor. E mesmo, como diz santo Agostinho, a consagração é a palavra de fé que é pregada e recebida em fé. Pelo que, segue-se que as palavras secretamente pronunciadas sobre os sinais não podem ser a consagração como aparece da instituição que nosso Senhor Jesus Cristo deixou aos seus apóstolos, dirigindo suas palavras aos seus discípulos presentes, aos quais ordenou tomar e comer.
VIII. O santo sacramento da ceia não é alimento para o corpo como para as almas (porque nós não imaginamos nada de carnal, como declaramos no artigo quinto) recebendo-o por fé, a qual não é carnal.
IX. Cremos que o batismo é sacramento de penitência, e como uma entrada na igreja de Deus, para sermos incorporados em Jesus Cristo. Representa-nos a remissão de nossos pecados passados e futuros, a qual é adquirida plenamente, só pela morte de nosso Senhor Jesus.
De mais, a mortificação de nossa carne aí nos é representada, e a lavagem, representada pela água lançada sobre a criança, é sinal e selo do sangue de nosso Senhor Jesus, que é a verdadeira purificação de nossas almas. A sua instituição nos é ensinada na Palavra de Deus, a qual os santos apóstolos observaram, usando de água em nome do Pai, do Filho e do Santo Espírito. Quanto aos exorcismos, abjurações de Satanás, crisma, saliva e sal, nós os registramos como tradições dos homens, contentando-nos só com a forma e instituição deixada por nosso Senhor Jesus.
X. Quanto ao livre arbítrio, cremos que, se o primeiro homem, criado à imagem de Deus, teve liberdade e vontade, tanto para bem como para mal, só ele conheceu o que era livre arbítrio, estando em sua integridade. Ora, ele nem apenas guardou este dom de Deus, assim como dele foi privado por seu pecado, e todos os que descendem dele, de sorte que nenhum da semente de Adão tem uma centelha do bem.
Por esta causa, diz São Paulo, o homem natural não entende as coisas que são de Deus. E Oséias clama aos filho de Israel: “Tua perdição é de ti, ó Israel.” Ora isto entendemos do homem que não é regenerado pelo Santo Espírito.
Quanto ao homem cristão, batizado no sangue de Jesus Cristo, o qual caminha em novidade de vida, nosso Senhor Jesus Cristo restitui nele o livre arbítrio, e reforma a vontade para todas as boas obras, não todavia em perfeição, porque a execução de boa vontade não está em seu poder, mas vem de Deus, como amplamente este santo apóstolo declara, no sétimo capítulo aos Romanos, dizendo: “Tenho o querer, mas em mim não acho o realizar.”
O homem predestinado para a vida eterna, embora peque por fragilidade humana, todavia não pode cair em impenitência.
A este propósito, S. João diz que ele não peca, porque a eleição permanece nele.
XI. Cremos que pertence só à Palavra de Deus perdoar os pecados, da qual, como diz santo Ambrósio, o homem é apenas o ministro; portanto, se ele condena ou absolve, não é ele, mas a Palavra de Deus que ele anuncia.
Santo Agostinho, neste lugar diz que não é pelo mérito dos homens que os pecados são perdoados, mas pela virtude do Santo Espírito. Porque o Senhor dissera aos seus apóstolos: “recebei o Santo Espírito;” depois acrescenta: “Se perdoardes a alguém os seus pecados,” etc.
Cipriano diz que o servo não pode perdoar a ofensa contra o Senhor.
XII. Quanto à imposição das mãos, essa serviu em seu tempo, e não há necessidade de conservá-la agora, porque pela imposição das mãos não se pode dar o Santo Espírito, porquanto isto só a Deus pertence.
No tocante à ordem eclesiástica, cremos no que S. Paulo dela escreveu na primeira epístola a Timóteo, e em outros lugares.
XIII. A separação entre o homem e a mulher legitimamente unidos por casamento não se pode fazer senão por causa de adultério, como nosso Senhor ensina (Mateus 19:5). E não somente se pode fazer a separação por essa causa, mas também, bem examinada a causa perante o magistrado, a parte não culpada, se não podendo conter-se, deve casar-se, como São Ambrósio diz sobre o capítulo sete da Primeira Epístola aos Coríntios. O magistrado, todavia, deve nisso proceder com madureza de conselho.
XIV. São Paulo, ensinando que o bispo deve ser marido de uma só mulher, não diz que não lhe seja lícito tornar a casar, mas o santo apóstolo condena a bigamia a que os homens daqueles tempos eram muito afeitos; todavia, nisso deixamos o julgamento aos mais versados nas Santas Escrituras, não se fundando a nossa fé sobre esse ponto.
XV. Não é lícito votar a Deus, senão o que ele aprova. Ora, é assim que os votos monásticos só tendem à corrupção do verdadeiro serviço de Deus. É também grande temeridade e presunção do homem fazer votos além da medida de sua vocação, visto que a santa Escritura nos ensina que a continência é um dom especial (Mateus 15 e 1 Coríntios 7). Portanto, segue-se que os que se impõem esta necessidade, renunciando ao matrimônio toda a sua vida, não podem ser desculpados de extrema temeridade e confiança excessiva e insolente em si mesmos.
E por este meio tentam a Deus, visto que o dom da continência é em alguns apenas temporal, e o que o teve por algum tempo não o terá pelo resto da vida. Por isso, pois, os monges, padres e outros tais que se obrigam e prometem viver em castidade, tentam contra Deus, por isso que não está neles o cumprir o que prometem. São Cipriano, no capítulo onze, diz assim: “Se as virgens se dedicam de boa vontade a Cristo, perseverem em castidade sem defeito; sendo assim fortes e constantes, esperem o galardão preparado para a sua virgindade; se não querem ou não podem perseverar nos votos, é melhor que se casem do que serem precipitadas no fogo da lascívia por seus prazeres e delícias.” Quanto à passagem do apóstolo S. Paulo, é verdade que as viúvas tomadas para servir à igreja, se submetiam a não mais casar, enquanto estivessem sujeitas ao dito cargo, não que por isso se lhes reputasse ou atribuísse alguma santidade, mas porque não podiam bem desempenhar os deveres, sendo casadas; e, querendo casar, renunciassem à vocação para a qual Deus as tinha chamado, contudo que cumprissem as promessas feitas na igreja, sem violar a promessa feita no batismo, na qual está contido este ponto: “Que cada um deve servir a Deus na vocação em que foi chamado.” As viúvas, pois, não faziam voto de continência, senão porque o casamento não convinha ao ofício para que se apresentavam, e não tinha outra consideração que cumpri-lo. Não eram tão constrangidas que não lhes fosse antes permitido casar que se abrasar e cair em alguma infâmia ou desonestidade.
Mas, para evitar tal inconveniência, o apóstolo São Paulo, no capítulo citado, proíbe que sejam recebidas para fazer tais votos sem que tenham a idade de sessenta anos, que é uma idade normalmente fora da incontinência. Acrescenta que os eleitos só devem ter sido casados uma vez, a fim de que por essa forma, tenham já uma aprovação de continência.
XVI. Cremos que Jesus Cristo é o nosso único Mediador, intercessor e advogado, pelo qual temos acesso ao Pai, e que, justificados no seu sangue, seremos livres da morte, e por ele já reconciliados teremos plena vitória contra a morte.
Quanto aos santos mortos, dizemos que desejam a nossa salvação e o cumprimento do Reino de Deus, e que o número dos eleitos se complete; todavia, não nos devemos dirigir a eles como intercessores para obterem alguma coisa, porque desobedeceríamos o mandamento de Deus. Quanto a nós, ainda vivos, enquanto estamos unidos como membros de um corpo, devemos orar uns pelos outros, como nos ensinam muitas passagens das Santas Escrituras.
XVII. Quanto aos mortos, São Paulo, na Primeira Epístola aos Tessalonicenses, no capítulo quatro, nos proíbe entristecer-nos por eles, porque isto convém aos pagãos, que não têm esperança alguma de ressuscitar. O apóstolo não manda e nem ensina orar por eles, o que não teria esquecido se fosse conveniente. S. Agostinho, sobre o Salmo 48, diz que os espíritos dos mortos recebem conforme o que tiverem feito durante a vida; que se nada fizeram, estando vivos, nada recebem, estando mortos.
Esta é a resposta que damos aos artigos por vós enviados, segundo a medida e porção da fé, que Deus nos deu, suplicando que lhe praza fazer que em nós não seja morta, antes produza frutos dignos de seus filhos, e assim, fazendo-nos crescer e perseverar nela, lhe rendamos graças e louvores para sempre. Assim seja. 

Jean du Bourdel, Matthieu Verneuil, Pierre Bourdon, André la Fon.

Jesus...


O caminho, a verdade e a vida.

Bíblia Sagrada