quarta-feira, 31 de outubro de 2012

31 de outubro de 1517 - Dia da reforma Protestante



SOLA FIDE (somente a fé)

SOLA SCRIPTURA (somente a escritura)

SOLUS CHRISTUS (somente Cristo)

SOLA GRATIA (somente a graça)

SOLI DEO GLORIA (glória somente a Deus)

Podemos  assim resumir  as 95 teses que Martinho Lutero fixou na Catedral de Wittenberg em 31 de outubro de 1517. Sabemos que a intenção de Lutero não romper com a igreja Católica Romana, da qual era padre. somente queria mostrar ao papa, cardeais e demais membros da igreja o real significado das Sagradas Escrituras, que haviam sido esclarecidas a ele por meio do Espírito Santo. Porém a igreja Católica Romana na pessoa do papa não quis aceitar tais mudanças, levando Lutero a ex-comunhão.
A partir daí surgiu o movimento protestante, ou seja, aqueles de protestam e defendem as Sagradas Escrituras como única fonte de fé, e na salvação somente na pessoa de Jesus Cristo.
A Ele, Jesus Cristo, toda honra, toda glória, louvor e adoração em todos os tempos e momentos.

Segue abaixo as 95 teses de Martinho Lutero.


1. Nosso Mestre o Senhor Jesus Cristo, quando disse: "fazei penitência", quis afirmar que toda a vida dos crentes fosse de arrependimento.


2.Esta palavra não pode ser interpretada como penitência sacramental, isto é, a confissão e a satisfação que administram os sacerdotes.

3. Todavia, hão significa somente arrependimento interior; não, pois não há arrependimento interior que não se manifeste no exterior em diversas mortificações da carne.

4. A penalidade do pecado, por conseguinte, continua, enquanto durar o aborrecimento de si mesmo, porque este é o verdadeiro arrependimento interior, e coninua até nossa entrada no reino dos Céus.

5. Ao Papa não compete remir, nem pode remir outras penas que as que ele mesmo tem posto, seja por sua própria autoridade, ou pela autoridade dos cânones.


6. O Papa não pode remir nenhuma culpa, senão somente declarar que tem sido remida por Deus e afirmar a remissão se bem em casos reservados a seu critério. Se fosse menosprezado o seu direito a conceder remissão em tais casos, a culpa permaneceria inteiramente sem padrão.

7. Deus não redime a culpa daqueles que não se submetm humildemente ao sacerdote.

8. Os cânones penitenciais somente podem ser aplicados aos vivos e não aos mortos.



9. O Papa, pelo Espirito Santo, é benévolo, pois sempre faz exceções em seus decretos do artigo de morte e de necessidade.

10. Os sacerdotes que, no caso de morimbundos, reservam as penitências canônicas para o purgatório, são ignorantes é malvados.

11. Esta alteração de penitência canônica a do purgatório e uma cizânia semeada enquano os bispos dormiam.

12. Antigamente as penas canônicas eram colocadas antes da absolvição como prova de verdadeira contrição.

13. A morte liberta o morimbundo de toda penalidade crônica.

14. A saúde imperfeita da alma provoca necessariamente grande medo ao morimbundo.

15. Esse medo é sem si suficiente para construir as penas do purgatório.

16. O céu, purgatório e o inferno diferem entre si com diferem o desespero, o quase desespero e a segurança perfeia.

17. é necessário que se aumente o amor e se diminua o ódio para como as almas do purgatório.


18. Nem a razão, nem as Escrituras asseguram que elas estão fora do alcance do amor.


19. Tampouco está comprovado que elas conheçam sua bem aventurança, ainda que nos estejamos certos disso.


20. Por conseguinte, quando o Papa fala de "completa remissão de penas" não se refere a "todos", senão àquelas impostas por ele.

21. Os missionários de indulgências, portanto, se iludem quando dizem que pela indulgência do Papa o homem se liberta de todo o castigo e se salva.

22. Porque, por intermédio dela, não se redime as almas do purgatório de nenhuma pena que deveria pagar nesta vida.

23. Se fosse possível conceder a remissão de todas as penas, somente poderia conceder-se aos mais perfeitos, isto é, de um pequeno número.

24. Por conseguinte a maior parte do povo está enganada por esta indiscriminada e altissonante promessa de libertação de penas (pelos pregadores de indulgências).

25. O mesmo poder que o Papa tem sobre o purgatório em toda igreja, cada bispo o tem em particular na sua diocese e cada cura na sua própria paróquia.

26. O Papa faz bem quando concede remissão às almas (purgatório), não pelo poder das chaves, senão pela intercessão.

27. Eles pregam que no momento que a moeda tina no fundo do cofre sai do purgatório.

28. O que sucede quando tine a moeda é que a ganância e a avareza aumentam, mas o resultado da intercssão da igreja está no poder de Deus somente.

29. Quem sabe se todas as almas do purgatório querem sai dali como nas lendas de São Severino e São Paschoal?

30. Ninguém esta seguro de que sua própria contrição seja sincera; muito menos que tenha obtido plena remissão.

31. Tão raro quanto ao homem que é verdadeira­mente penitente é aquele que verdadeiramente compra indulgências.

32. Aqueles que imaginam estar seguros de sua salvação pelas cartas de indulgências, serão condenados com os que assim ensinam.

33. Os homens devem guarda-se daqueles que dizem que o perdão do Papa é um dom inapreciável de Deus.

34. Porque "essas graças" somente dizem respeito ás penas sacramentais impostas pelo homem.

35. ensinam doutrinas anticristãs àquelas que pretendem que para livrar uma alma do purgatório, ou comprar uma indulgência, não é necessário nem dor nem arrependimeno.

36. Todo o cristão que sente verdadeiro arrependimento pelos seu pecados, tem direito a uma completa remissão do castigo e da culpa, sem que para isso necessite de indulgência.

37. Todo verdadeiro cristão morto ou vivo, participa de todos os bens de cristo ou da igreja, pela graça de Deus e sem bula de indulgência.

38. A remissão papal não deve ser desprezada, não obstante, porque, como se tem dito, é a declaração da remissão divina.

39. É dificílimo, ainda para os mais hábeis teólogos, recomendar ao povo ao mesmo tempo e abundância de indulgências e a necessidade de verdadeira contrição.

40. O verdadeiro arrependimento e a verdadeira dor buscam e amam o castigo; porém a begnidade de indulgência absolve do castigo e fez conceber aversão a ele.

41. Os perdões apostólicos (papais) devem ser pregados com cautela para que não se tomem como preferidos às boas do amor.

42. Convém ensinar aos cristões que o Papa não pensa e nem quer que se compare em nada o ato de comprar as indulgências a uma obra qualquer de misericórdia.

43. Convém ensinar aos cristões que aquele que dá aos pobres ou empresta sem interesse, obra melhor do que aquele que compra uma indulgência.

44. Efetivamente a obra de caridade faz aumentar a caridade e torna o homem mais piedoso; enquanto que a indulgência não se torna melhor, porem somente mais confiado em si mesmo, julgando-se do castigo.

45. Deve-se ensinar aos cristão que quem, ao invés de julgar a quem está necessitado, compra urna indulgência, não compra indulgência do Papa senão a indignação de Deus.

46. É preciso ensinar aos cristãos que, salvo tenha mais do que necessitem para eles e sua família, não devem desperdiçar em indulgências.

47. Deve-se ensinar aos cristãos que a compra de indulgências é questão de livre arbítrio.

48. É preciso ensinar aos cristãos que o Papa tendo mais necessidades de uma oração feita com fé do que com dinheiro, deseja mais orações do que de dinheiro quando distribui as indigências.

49. É preciso ensinar aos cristãos que a indulgência do Papa é boa se não depositarem nela a menor confiança; porém que não há nada mais prejudicial se ela faz perder o temor de Deus.

50. É preciso ensinar aos cristãos que, se o Papa conhece as exações dos pregadores de indulgências, prefereria que a metrópole de São Pedro fosse queimada e reduzuda as cinzas do que vê-la edificada com a pele, a carne e os ossos de suas ovelhas.

51. É preciso ensinar aos cristãos que o Papa como é do seu dever, distribuiria, se necessário, seu próprio dinheiro entre as pessoas pobres, a quem os pregadores de indulgências tiram hoje até o último vintém, ainda que , para isso, tivessem de vender a basílica de São Pedro.

52. A esperança de ser salvos pelas indulgências é uma esperança vã e mentirosa, ainda que o. comissário das indulgências, ou mesmo o Papa, para confirmá-la, empenhasse a sua alma.

53. São inimigos de Cristo e do Papa os que suspendem a pregação da palavra de Deus nas igrejas para que possam pregar as indulgências.

54. Ofende-se a palavra de Deus quando, no mesmo sermão, se dá igual ou mais tempo às indulgências do que à Palavra de Deus.

55. O Papa não pode ter outtro pensamento senão este: "Se a indulgência, que é menor que o Evangelho, é anunciada com o repique de um sino e, com a pompa e cerimônia, muito mais deve-se solenizar o anúncio do evangelho, que é mais do que a indulgência, com repique de cem sinos, e com cem pompas e cem cerimônias".

56. Os "tesouros da igreja" dos quais o Papa concede indulgência, não são suficientemente mencionados ou conhecidos entre o povo.

57. Que não são tesouros temporais é evidente.

58. Tampouco são os méritos de Cristo e dos Santos, porque estes obram sem necessidade do Papa.

59. São Lourenço dizia que os tesouros da igreja eram os pobres da igreja mais falava com as palavras de sua época.

60. Sem audácia dizemos que as chaves da igreja, dadas, pelos méritos de Cristo, são esse tesouro.

61. Porque está claro que para a emissão das penalidades e dos casos reservados, basta o poder do Papa.

62. O verdadeiro tesouro da igreja é o santíssimo Evangelho da Graça e da Glória de Deus.

63. Mas esse tesouro é naturalmente odiado, porque faz com que os primeiros sejam os últimos.

64. O tesouro das indugências é mais aceitável naturalmente porque faz que os últimos sejam os primeiros.

65. Os tesouros da igreja são primeiramente destinados a pescar homens de riqueza.

66. Os tesouos das indugências são redes para pescar as riquezas dos homens.

67. As indulgências que os pregadores anuncam como "maiores graças" são na medida que aumentam os ganhos.

68. Contudo são na verdade as graças mais pequenas, comparadas com a graça de Deus e a piedade da cruz.

69. Os bispos e curas devem advertir os comissários das indulgências apostólicas com toda a reverência.

70. Mas, ainda mais, obrigados estão a abrir os olhos e ouvidos, para que esses homens não pregem suas próprias fantasias em lugar da comissão do Papa.

71. Seja anátema todo aquele que falar contra as indulgências do Papa.

72. Porém seja bendito aquele que fala contra as palavras loucas e imprudentes dos pregadores das indulgências.

73. O Papa condena justamente os que, por qualquer arte, prejudicam o tráfico de indulgências.

74. Mas muito mais pretendo condenar aqueles que usam o pretexto das indulgências para prejudicar o amor e a verdade.

75. Pensar que as indulgências papais são tão grandes que possam absolver um homem que tenha cometido um pecado impossível e violado a mãe de Deus, é uma loucura.

76. Dizemos pelo contrário, que as indulgências papais não podem tirar o menor pecado venial, no que concerne a culpa.

77. Diz-se que o próprio S. Pedro, se fosse Papa agora, não poderia conceder maiores graças; isto é uma blasfémia contra S. Pedro e contra o Papa.

78. Afirmamos, pelo contrário, que qualquer Papa tem maiores graças a sua disposição; a saber o Evangelho, dons cura, (Como se diz em 1 Co 12)

79. dizer que a cruz gurnecida com as armas do Papa (que levantam os vendedores de indulgências), tem o mesmo poder que a cruz de Cristo, é uma blasfêmia.

80. Os bispos, os pastores e teólogos que consentem que se digam tais coisas ao povo, hão de dar conta disso a Deus.

81. Esta descarada pregação das indulgências faz com que seja difícil, mesmo para os sábios, defende bem a dignidade e a honra do Papa, contra as calúnias ou mesmo as perguntas sutis e astutas dos leigos.

82. Por exemplo: "Porque o Papa não esvazia o purgatório, por puro amor santo e pela espantosa necessidade das almas que ali estão, se redime a um número infinito de almas pelo miserável dinheiro que necessita para construir uma igreja?"

83. "Porque continuam as missas pelos mortos, e porque não devolvem ou permitem que sejam retiradas as dotações fundadas em benefícios dela, desde que é um erro rogar pelos remidos?"

84. "Qual é a nova piedade de Deus e do Papa, que por dinheiro permite que um ímpio, que é inimigo deles, tire purgatório a alma do melhor amigo de Deus, e não colocam, de preferência, em liberdade esta alma piedosa e amada por puro amor?"

85. "Porque os cânones penitenciais, que há tempo estão de fato abrojados e mortos pelo desuso, há de satisfazer e agora pela concessão de indulgências, como ainda se estivessem em vigor?"

86. "Porque o Papa, cuja riqueza é hoje o maior que a dos pobres, não constrói a igreja de S. Pedro com o seu próprio dinheiro, em lugar de fazê-lo com o dinheiro dos pobres crentes?"

87. "Que é que o Papa pode remir, e participação concede aquele que, por sua perfeita contrição, tem o direito a uma perfeita remissão e participação?"

88. "Que maior benção poderia receber a igreja e não aquela que o Papa fizesse cem vezes por dia o que agora faz uma vez, e concedesse a todos os crentes essas remissões e participações?"(A indulgência dava direito ao seu possuidor à absolvição uma vez na vida e em artigo de morte).

89. "Posto que o Papa, com suas indulgências busca a salvação das almas mais que o dinheiro, porque suspende as indulgências concedidas até o presente, se tem a mesma eficácia?" (Durante o tempo todo que se pregava a indulgência do jubileu - nos dias de Lutero - todas as demais indulgências estavam suspensas.)

90. Reprimir estes argumentos e escrúpulos dos leigos somente pela força, e não lhes da razões, é expor a igreja e o Papa a zombaria e seus inimigos e fazer desgraçados os cristãos.

91. Por conseguinte, se as indulgências se pregarem de acordo com a intenção do Papa, todas essas dúvidas se resolveriam facilmente; na realidade, não existiriam.

92. Oxalá pudéssemos livrar-nos de todos os pregadores que dizem a igreja de Cristo: Paz! e Não há paz.

93. Bem aventurados aqueles profetas que dizem ao povo de Cristo: "Cruz, cruz" e Não há cruz! (porque a cruz que deixa de ser cruz tão logo diga gostosamente: "Bendita cruz, não há árvore como tu").

94. Deve-se exortar aos cristão para que sigam diligentemente a Cristo, mesmo através de penalidade, morte e inferno.

95. E a ter assim confiança de que hão de entrar no céu, antes através de dificuldades do que através da segurança da paz.

Fonte da tese: http://pastoradaocarvalho.blogspot.com.br/

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Entendendo Jesus como o Verbo de Deus através de uma carteira de motorista


banner_carteira

Você já tirou sua carteira de motorista?
Quase todo mundo já passou por esta experiência ou vai passar um dia.
No inicio deste processo a auto-escola te manda fazer aulas com um instrutor.
Esse professor para te ensinar começa passar algumas “instruções” do que você deve fazer;  na verdade são frases que você precisa memorizar para conseguir dirigir.
Por exemplo: para o instrutor te ensinar a sair com o carro, ele usa frases como: “ Ligue o carro” ,
” Pise na embreagem” , “Coloque a primeira marcha” , ” Agora acelere um pouco e tire o o pé da embreagem”.
E você fica ali naquela tensão, tentando se concentrar naquelas instruções.
Depois que você aprende a sair com o veículo, Ele fala: “ OK, agora, quando o carro pegar uma velocidade você pisa na embreagem, coloca a segunda marcha, solta a embreagem e acelera novamente”.
No começo parece um bicho de sete cabeças e parece que será impossível conseguir dirigir.
Você já andou com alguém que tinha acabado de pegar a Carteira de motorista? É muito engraçado, pois eles andam tão tensos, que não conseguem nem conversar ao mesmo tempo, pois se eles pensarem em outra coisa eles vão esquecer das instruções.
Então, geralmente eles colocam o queixo em cima do volante, e ficam revisando em pensamento: “Pisa na embreagem, coloca primeira marcha, agora acelera um pouco e vai soltando a embreagem”. “Dê seta antes de virar”, “Pare nas esquinas para verificar se não vem ninguém”, “Pare na faixa de pedestre”.
Perceba que a pessoa que está aprendendo a dirigir tem apenas “Frases”, “instruções” em sua mente para então aquele pensamento virar uma ação. Ela tem apenas o “verbo” para se guiar.
Agora quando você começa a praticar, a se desenvolver, quando você começa a fazer isso todos os dias, durante horas no dia, aquilo que era instrução vai se tornando comportamento automático, ou talvez, podemos dizer que aquilo que era “verbo” vai se tornando “carne”.
Se você já dirige a alguns anos, você sabe que consegue perfeitamente conversar com alguém no carro e continuar fazendo todas as manobras, trocando a marcha, dando seta, parando nas esquinas. E por que isso?
Porque estas instruções já se transformaram em carne na sua vida, elas já viraram parte de você.
Quando Deus olha lá de cima, e percebe que ninguém consegue viver as instruções que ele passou (a lei), Ele decide descer até aqui e mostrar como é que se faz.
João descreve isso da seguinte forma:
“E o verbo se fez carne e habitou entre nós…” (Jo 1:14)
“E o que antes era “verbo” agora se tornou “carne”. Jesus fazia tudo que está escrito na Palavra de Deus no automático, TUDO”.
E o que antes era “verbo” agora se tornou “carne”. Jesus fazia tudo que está escrito na Palavra de Deus no automático, TUDO.
Quando ele via um necessitado ele não precisava ficar pensando: “Preciso ajudar este cara, preciso fazer alguma coisa, vai Douglas, faz alguma coisa. A Bíblia manda ajudar os que precisam de ajuda”.
Quando ele via um doente, era automático ir até o doente e curá-lo. Ele amava automaticamente, ele era manso automaticamente, ele era humilde automaticamente, pois o verbo veio ao mundo em forma de carne, mas para mostrar a todos como se deve fazer.
Tudo que Jesus fez na terra foi por um propósito. E esse propósito é que eu e você possamos copia-lo.
Ele diz em João 13:15 – Eu lhes dei o exemplo para que vocês façam como eu lhes fiz. Tudo que ele fez foi para que você pudesse se tornar um JesusCopy.
Se você hoje, pegar as instruções que a Palavra de Deus te dá, o modelo que Jesus deixou e começar a praticar, tudo isso que no inicio será VERBO, com o passar do tempo vai se tornar CARNE. Você passará a amar no automático, perdoar no automático, servir no automático, ser uma Cópia de Jesus no automático.
Que o verbo se torne carne na sua vida! Deus abençoe!

Fonte: jesuscopy

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Casamento Feliz

Casamento feliz
O que todos buscam é um casamento feliz e duradouro. Porem, observamos no contexto deste século que a busca pela felicidade se tornou individual, ou seja, se meu casamento esta ruim, passando por alguma adversidade,  devo trair ou me separar, esquecendo que a união entre um homem e uma mulher é ordenança divina e que estes devem viver juntos até que a morte os separe. O homem e a mulher deixam a casa dos pais para constituírem uma nova família, esta precisa estar embasada  nos preceitos divinos.

O texto de Hebreus 13:4 diz: “Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, Deus os julgará.”
         O casamento é honorável em todos os aspectos; em particular, o sexo entre os cônjuges é puro. “Graças a Deus.”
         Quando o escritor aos hebreus escreve “leito sem mácula” quer dizer, sem mancha ou infâmia (desonra, perda do credito, ação vergonhosa, indigna). Concluímos que os cônjuges devem viver honradamente um para o outro pois é agradável ao Senhor.
O apostolo Paulo escreve em I Coríntios 7:2-9
2 - Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido.
3 - O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher ao marido.
4 - A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher.
5 - Não vos priveis um ao outro, senão por consentimento mútuo por algum tempo, para vos aplicardes ao jejum e à oração; e depois ajuntai-vos outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência.
6 - Digo, porém, isto como que por permissão e não por mandamento.
7 - Porque quereria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um tem de Deus o seu próprio dom, um de uma maneira e outro de outra.
8 - Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu.
9 - Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se.
         É bom o homem ter sua própria mulher, uma, não duas ou três, mas uma. Bem como para a mulher. A fidelidade é algo que deve ser priorizado no casamento.
         Voltando ao texto em hebreus, Deus diz que “os que se dão a prostituição e adultério, Ele os julgará.” (grifo meu)
         Infelizmente a sociedade prefere dar ouvidos ao que dizem cientistas como Catherine Hakim (cientista social), onde ela apresenta em seu novo livro "The New Rules:Internet Dating Playfairs and Erotic Power" ("As novas regras: namoro pela internet, ‘playfairs’ e o poder erótico") a teoria de que para se ter um caso extraconjugal pode ser a chave para melhorar o casamento a dois. Ela vai mais alem, comparando o caso extraconjugal, como se fossemos a um restaurante comer fora de casa.
         Infelizmente muitos estão se dando a este “prazeroso restaurantes”, trazendo para dentro de casa doenças sexualmente transmissíveis, drogas, alcoolismo, suicídio, mortes e separação. Pais que deveriam dar um bom exemplo de relacionamento criando filhos em um ambiente cheio de desconfiança, em um casamento de aparências, a ponta de fracionar a qualquer momento.
         Contudo a uma solução para aqueles que estão passando por este problema, enfrentando o caos familiar a uma solução. O Senhor Jesus deseja restaurar o casamento falido em algo novo, duradouro, confiável e cheio de amor, harmonia e paz. Basta entregarmos nossas vidas a Ele.
         Salmos 37:5 Entrega o teu caminho ao SENHOR; confia nele, e ele o fará.
         Provérbios 3:5 Confia no SENHOR de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento.
         Confie o teu casamento ao Senhor e  verás que o casamento debaixo da graça e direção de Deus É MUITO BOM!

Diógenes Spartalis
        
                  

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Descobrindo a vontade de Deus



Descobrindo a vontade de Deus
Qual é a vontade de Deus para o homem?
Como compreender Sua vontade?
São vários os questionamentos, porem encontrará as respostas junto à palavra de Deus, a bíblia sagrada.
O salmo 15 inicia com uma pergunta a Deus. v1 - SENHOR, quem habitará no teu tabernáculo? Quem morará no teu santo monte? O próprio salmista, o rei Davi, expõe a resposta nos versículos seguintes.
2 - Aquele que anda sinceramente, e pratica a justiça, e fala a verdade no seu coração.
3 - Aquele que não difama com a sua língua, nem faz mal ao seu próximo, nem aceita nenhum opróbrio contra o seu próximo;
4 - A cujos olhos o réprobo é desprezado; mas honra os que temem ao SENHOR; aquele que jura com dano seu, e contudo não muda.
5 - Aquele que não dá o seu dinheiro com usura, nem recebe peitas contra o inocente. Quem faz isto nunca será abalado.
Andar sinceramente, ou em sinceridade é ser franco, leal e verdadeiro (que não oculta, que não usa disfarces, nem malicias muito menos fingimentos). É aquele que ao olhar para você conseguira enxergar o seu interior, como sugere a raiz da palavra sincera. Os romanos ao fabricar certos vasos com uma cera especial, que as vezes se tornava transparente, podendo em alguns casos distinguir o objeto dentro do vaso, diziam, parece que até não tem cera! “sine-cera” quer dizer: sem cera.
Da mesma forma aqueles que desejam fazer a vontade de Deus devem ser sinceros, transparentes na sua maneira de viver para com Deus e os homens, praticando a justiça e falando a verdade no seu coração. Não difamando com a língua, ou seja, não caluniando ou desonrando seja quem for. O que faz a vontade de Deus não faz mal ao próximo, mas quem é meu próximo? É aquele que necessita da nossa ajuda, não importando se é uma pessoa de outra nacionalidade, cidade ou vila, se é meu rival em algum aspecto. Tomemos o exemplo do bom samaritano em Lucas 10:25-37l, o samaritano encontrou um homem de Jerusalém caído, o qual havia sido agredido por salteadores, a atitude do bom samaritano é que nos chama a atenção, pois os samaritanos não se davam com os judeus e vice-versa, tomou-o em sua cavalgadura e o levou a uma estalagem pagando por seus gastos; que gesto nobre para com o seu próximo. Um exemplo mais atual aconteceu na Espanha, entre um catalão e um madrileno, onde os catalães lutam pela autonomia numa Espanha dominada por Madrid. Placido Domingo é madrileno e José Carreras é catalão. Dois dos maiores tenores tornaram-se inimigos devido a questões políticas, nunca assinavam contrato no mesmo local e data para se apresentarem juntos. Em 1987, Carreras foi diagnosticado com leucemia, foi submetido a diversos tratamentos, transplantes de medula óssea e uma mudança de sangue nos EUA. Depois de um tempo, com  enormes gastos, não podendo mais trabalhar, teve conhecimentoda existência de uma fundação em Madrid. Graças ao apoio da Fundação FORMOSA, Carreras venceu a doença e voltou a cantar. Após a cura, lendo o estatuto da Fundação descobriu que o fundador, maior colaborador e presidente da fundação, era Plácido Domingo. Perguntaram a Plácido, o porquê fizera aquilo, pois eram inimigos. Ele respondeu dizendo: que não poderia se perder aquele talento. Pergunto: que sabor há na inimizade? Pense e responda. Agora, que sabor há na amizade e no fazer o bem aos outros, principalmente para aqueles que se dizem nossos inimigos. Podemos, com nosso gesto de amor, ganhar um amigo.
Quando passamos a amar e não praticar o mal contra nosso próximo, passamos a defende-lo, não aceitando afrontas contra ele.
E o que falar quanto ao réprobo, individuo condenado, malvado e banido da sociedade. Quando descobrimos em fazer a vontade de Deus, nos deparamos com indivíduos que aos olhos da sociedade estão perdidos, não possuem credito algum muito menos esperança. Porem ao lermos os evangelhos, descobrimos que Jesus veio para salvar aqueles que haviam se perdido, Ele o Filho de Deus veio para os pobres, necessitados e amargurados. Jesus diz em “Mateus 11:28 - Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. 29 - Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. 30 - Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” Que palavras doces e suaves. Palavras ditas por aquele que conhece o coração do homem e o entende. Palavras ditas por Ele, pois somente Jesus tem o poder e autoridade em realizar este convite, porque Ele é Deus, e autor da criação.
Desta forma, o homem que busca fazer a vontade de Deus não muda diante de uma situação, mesmo com dano seu. Não empresta dinheiro com juros, e muitas das vezes não espera o retorno deste dinheiro, o faz deliberadamente. Suborno? Esta longe dos seus atos, pois sabe que tal pratica é desnecessária, pois confia Naquele que poder de abençoar, sabendo que quem desta forma age “nunca será abalado.”
O profeta Miquéias, escreve em seu livro, Miquéias 6:6-8
6 - Com que me apresentarei ao SENHOR, e me inclinarei diante do Deus altíssimo? Apresentar-me-ei diante dele com holocaustos, com bezerros de um ano?
7 - Agradar-se-á o SENHOR de milhares de carneiros, ou de dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão, o fruto do meu ventre pelo pecado da minha alma?
8 - Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o SENHOR pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a benignidade, e andes humildemente com o teu Deus?
Como Deus quer que me apresente e me incline a Ele?
Com holocausto e sacrifícios? Oferecendo ao Todo Poderoso milhares de carneiros e muitos azeites? Darei o meu filho primogênito pelas minhas transgressões? Mas Deus nos declara o que Ele quer de nós: que pratiquemos a justiça (assim como ensinou o salmista), e amemos a benignidade, ou seja, que sejamos bons para com os necessitados, e andemos humildemente com nosso Deus.
Para que assim resplandeça nossa luz diante dos homens, conforme falou Jesus em Mateus 5:14 - Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; 15 - Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. 16 - Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.
Tomando todos os dias a nossa cruz, e sigamos o Mestre. E se preciso for por amor a Jesus perdermos a vida, a salvaremos, não negando aquele que se entregou por nós na cruz do calvário.
Lucas 9:21-27
21 - E, admoestando-os, mandou que a ninguém referissem isso,
22 - Dizendo: É necessário que o Filho do homem padeça muitas coisas, e seja rejeitado dos anciãos e dos escribas, e seja morto, e ressuscite ao terceiro dia.
23 - E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me.
24 - Porque, qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas qualquer que, por amor de mim, perder a sua vida, a salvará.
25 - Porque, que aproveita ao homem granjear o mundo todo, perdendo-se ou prejudicando-se a si mesmo?
26 - Porque, qualquer que de mim e das minhas palavras se envergonhar, dele se envergonhará o Filho do homem, quando vier na sua glória, e na do Pai e dos santos anjos.
27 - E em verdade vos digo que, dos que aqui estão, alguns há que não provarão a morte até que vejam o reino de Deus.
Ainda seguindo o conselho de Paulo aos Romanos 13:8-14:
8 - A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei.
9 - Com efeito: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não darás falso testemunho, não cobiçarás; e se há algum outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.
10 - O amor não faz mal ao próximo. De sorte que o cumprimento da lei é o amor.
11 - E isto digo, conhecendo o tempo, que já é hora de despertarmos do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto de nós do que quando aceitamos a fé.
12 - A noite é passada, e o dia é chegado. Rejeitemos, pois, as obras das trevas, e vistamo-nos das armas da luz.
13 - Andemos honestamente, como de dia; não em glutonarias, nem em bebedeiras, nem em desonestidades, nem em dissoluções, nem em contendas e inveja.
14 - Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo, e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências.
            Amar uns aos outros como Cristo nos amou, não devendo nada a não ser o amor, que é o vinculo da perfeição ( Colossenses 3:14) (grifo meu). Pois aquele que ama, não rouba, nem mata, não adultera e nem prostitui, nem tão pouco cobiça coisa alguma, pois deixamos de praticar tais coisas quando aceitamos a fé em Jesus, andando honestamente, longe de toda carnalidade.
            Assim passamos a ter conhecimento daquilo que o Senhor deseja para nós, pois como diz o texto abaixo somo participantes de Sua gloria e virtude e preciosas promessas, onde devemos a todo momento acrescentar em nosso viver a fé e a virtude, a ciência e a temperança, a paciência e piedade, o amor fraternal e a caridade. Fazendo assim não nos tornamos estéreis e ociosos, portanto úteis para o nosso Senhor.
 II Pedro 1:3-9
3 - Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou pela sua glória e virtude;
4 - Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo.
5 - E vós também, pondo nisto mesmo toda a diligência, acrescentai à vossa fé a virtude, e à virtude a ciência,
6 - E à ciência a temperança, e à temperança a paciência, e à paciência a piedade,
7 - E à piedade o amor fraternal, e ao amor fraternal a caridade.
8 - Porque, se em vós houver e abundarem estas coisas, não vos deixarão ociosos nem estéreis no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.
9 - Pois aquele em quem não há estas coisas é cego, nada vendo ao longe, havendo-se esquecido da purificação dos seus antigos pecados.
O apostolo João, o expressa no texto a seguir o amor. Leia e medite.
I João 4:7-21
7 - Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus.
8 - Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.
9 - Nisto se manifesta o amor de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos.
10 - Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados.
11 - Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros.
12 - Ninguém jamais viu a Deus; se nos amamos uns aos outros, Deus está em nós, e em nós é perfeito o seu amor.
13 - Nisto conhecemos que estamos nele, e ele em nós, pois que nos deu do seu Espírito.
14 - E vimos, e testificamos que o Pai enviou seu Filho para Salvador do mundo.
15 - Qualquer que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus está nele, e ele em Deus.
16 - E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele.
17 - Nisto é perfeito o amor para conosco, para que no dia do juízo tenhamos confiança; porque, qual ele é, somos nós também neste mundo.
18 - No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor.
19 - Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro.
20 - Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?
21 - E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também a seu irmão.
Após ter lido e meditado lanço uma pergunta.
Você conseguiu descobrir a vontade de Deus?
Espero que sim. E tenha observado que o Senhor nosso Deus na pessoa de Jesus deseja o melhor para atua vida aqui na terra, que o teu testemunho ecoe onde você mora, ou trabalha que a tua vida seja exemplo aos que precisam de ajuda.
Também a vontade de Deus é que cada um de nós possamos nos arrepender de nossos pecados para que possamos viver eternamente com Jesus.
Agora se você ainda não entregou a tua vida e teus problemas a Jesus ou se já o fez, mas deseja fazer esta oração faça também:
“Querido Senhor, obrigado por esta oportunidade em saber que a tua vontade é que eu seja uma testemunha do teu reino aqui na terra. Também te agradeço pela oportunidade de salvação, e neste momento eu te aceito como meu único e suficiente salvador, peço que o Senhor escreva meu nome no livro da vida, e quando vieres buscar tua igreja esteja contigo para sempre. Amém.”

Que a graça e a paz do Senhor esteja contigo.

Diógenes Spartalis

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Apresentação no VI Simpósio Iberoamericano


O Colégio Agrícola Augusto Ribas (CAAR) esteve presente no VI Simpósio Iberoamericano de Plantas Medicinais, dias 13, 14 e 15 de junho de 2012, realizado em Ponta Grossa, PR, na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).
A Profª. Drª. Dionezine de Fátima Navarro, coordenadora do Evento, presenteou o CAAR com um espaço durante o evento para estarmos expondo as atividades do nosso Colégio, que neste ano de 2012 completa 75 anos de "Educação e Técnica a Serviço da Agricultura".
A apresentação foi ministrada pelo Prof. Técnico em Agropecuária e Gestor da Informação Diógenes Spartalis com o tema, "75 anos de Educação".

Coquetel de Abertura e Show Cultural





Grande Auditório de UEPG












sábado, 28 de abril de 2012

O Estranho


O ESTRANHO 

Alguns anos depois que nasci, meu pai conheceu um estranho, recém-chegado à nossa pequena cidade. 
Desde o princípio, meu pai ficou fascinado com este encantador personagem, e em seguida o convidou a viver com nossa família.
O estranho aceitou e desde então tem estado conosco. 
Enquanto eu crescia, nunca perguntei sobre seu lugar em minha família; na minha mente jovem já tinha um lugar muito especial.
Meus pais eram instrutores complementares: 
Minha mãe me ensinou o que era bom e o que era mau e meu pai me ensinou a obedecer. 
Mas o estranho era nosso narrador.
Mantinha-nos enfeitiçados por horas com aventuras, mistérios e comédias. 
Ele sempre tinha respostas para qualquer coisa que quiséssemos saber de política, história ou ciência. 
Conhecia tudo do passado, do presente e até podia predizer o futuro! 
Levou minha família ao primeiro jogo de futebol. 
Fazia-me rir, e me fazia chorar. 
O estranho nunca parava de falar, mas o meu pai não se importava. 
Às vezes, minha mãe se levantava cedo e calada, enquanto o resto de nós ficava escutando o que tinha que dizer, mas só ela ia à cozinha 
para ter paz e tranquilidade. (Agora me pergunto se ela teria rezado alguma vez, para que o estranho fosse embora).
Meu pai dirigia nosso lar com certas convicções morais, mas o estranho nunca se sentia obrigado a honrá-las. 
As blasfêmias, os palavrões, por exemplo, não eram permitidos em nossa casa… Nem por parte nossa, nem de nossos amigos ou de qualquer
um que nos visitasse. Entretanto, nosso visitante de longo prazo, usava sem problemas sua linguagem inapropriada que às vezes queimava meus ouvidos e que fazia meu pai se retorcer e minha mãe se ruborizar. 
Meu pai nunca nos deu permissão para tomar álcool. Mas o estranho nos animou a tentá-lo e a fazê-lo regularmente. 
Fez com que o cigarro parecesse fresco e inofensivo, e que os charutos e os cachimbos fossem distinguidos. 
Falava livremente (talvez demasiado) sobre sexo. Seus comentários eram às vezes evidentes, outras sugestivos, e geralmente vergonhosos. 
Agora sei que meus conceitos sobre relações foram influenciados fortemente durante minha adolescência pelo estranho. 
Repetidas vezes o criticaram, mas ele nunca fez caso aos valores de meus pais, mesmo assim, permaneceu em nosso lar. 
Passaram-se mais de cinquenta anos desde que o estranho veio para nossa família. Desde então mudou muito; já não é tão fascinante como era ao principio. 
Não obstante, se hoje você pudesse entrar na guarida de meus pais, ainda o encontraria sentado em seu canto, esperando que alguém quisesse escutar suas conversas ou dedicar seu tempo livre a fazer-lhe companhia... 

Seu nome? 

Nós o chamamos Televisor...

Nota: 

Pede-se que este artigo seja lido em cada lar. 

Agora tem uma esposa que se chama Computador 

e um filho que se chama Celular!

Jesus...


O caminho, a verdade e a vida.

Bíblia Sagrada